PAPAGAIO-DA-CARA-ROXA

 


O PAPAGAIO-DE-CARA-ROXA  é uma ave da família dos psitacídeos cuja espécie é própria da região sudeste do Brasil.
Fonte:adeja




 

PAPAGAIO-DA-CARA-ROXA

O PAPAGAIO-DE-CARA-ROXA  é uma ave da família dos psitacídeos cuja espécie é própria da região sudeste do Brasil.  Seu habitat natural, além da mata atlântica, é o remanescente das florestas de restinga existentes na Reserva Ecológica de Jacarepiá, área territorial do município de Saquarema, região dos lagos fluminense. 

Os psitacídeos são as  aves mais ameaçadas do planeta devido a intensa caça seletiva devido a atração movida pela beleza desses pássaros e a cobiça para possuí-los.

O Brasil, onde existem cerca de setenta espécies, também é o país que ocupa o primeiro lugar na lista de extinção dessas aves.

Desde o descobrimento, os psitacídeos foram os pássaros que mais despertaram a curiosidade dos colonizadores, que os retratavam invariavelmente ligados aos indígenas com cocais de penas coloridas,  juntamente com pequenos macacos, a exemplo do mico-leão-dourado, outro animal de rara beleza que subsiste na Reserva de Jacarepiá, mas às duras penas e graças ao trabalho obstinado de alguns ambientalistas ligados à ADEJA.

Já no final dos anos 80, o prognóstico em relação aos psitacídeos brasileiros era bastante sombrio. Até então, algumas espécies foram praticamente extintas, outras, como as araras, sumiram de muitas áreas onde existiam em grande quantidade.

A mata de restinga também abriga o vistoso papagaio-do-mangue (Amazona amazônica), que utiliza os ocos das árvores para fazer seus ninhos, competindo com o pica-pau-dourado.

Um fato triste que ocorre na Reserva Ecológica de Jacarepiá,, é que os caçadores, além de espreitar os ninhos para roubar os filhotes, ainda derrubam as árvores que serve de ninhal para facilitar a captura. Com isso, muitos filhotes são esmagados ou adoecem com o impacto da queda, não resistindo aos primeiros dias do cativeiro.

OUTROS PAPAGAIOS  que ainda visitam a região sudeste a partir do extremo sul:    cuiú-cuiú (Pionopsitta pileata); sabiá-cica (Triciaria maiachitacea); tuim (Forpus xanthopterygius) e papagaio-de-peito-roxo (Amazona vinacea), a maioria com ocorrência na mata atlântica e alguns e na lista de extinção.

A reprodução de psitacídeos em programas oficiais, sob a supervisão do IBAMA (MMA), é a grande esperança de que no futuro algumas dessas espécies possam sobreviver a sanha da depredação do homem aos seus habitats naturais. Já existem diversos trabalhos com o objetivo de resolver o dilema da reintrodução de espécies, principalmente quanto a dificuldade da alimentação em ambientes  degradados. Esta é uma das propostas de trabalho da ADEJA  junto aos órgãos oficiais de meio ambiente

Todas as aves silvestres nascidas em cativeiro recebem uma anilha que é fixada na perna desde pequeninas. As aves que não possuem tal identificação são ilegais, passivas de serem apreendidas e seus respectivos donos sujeitos a processos criminais. Ultimamente a repressão do comércio clandestino de aves vem obtendo algum sucesso através do trabalho do Batalhão da Polícia Florestal, com o eficiente auxílio da RENCTAS